Bill Skarsgard Brasil não é afiliado de maneira alguma com Bill, sua família ou seus representantes. Não somos o ator e não temos o mínimo contato com o mesmo. Todo o conteúdo do site, fotos, informações, vídeos e gráficos pertence ao site, a não ser que seja informado o contrário. Site de fãs para fãs, sem fins lucrativos.
Tim Curry elogia Bill Skarsgård durante entrevista ao site ScreenGeek

Em entrevista ao site ScreenGeek, Tim Curry, que interpretou ‘Pennywise‘ no filme de 1990, “It: Uma Obra Prima do Medo“, revela estar ansioso para assistir a versão do palhaço que Bill Skarsgård interpreta no reboot do longa! Confira o trecho abaixo:

“Eu gosto muito de Skarsgård, acredito que ele seja muito esperto. Será interessante ver que tipo de palhaço ele vai colocar, porque não tem um retrato óbvio. Eu vi o trailer e você não consegue ver a cara dele direito. Então estou fascinado para assistir. Ele é muito bom”

DREAD CENTRAL: Bill Skarsgård conta que Andy Muschietti o ajudou a conseguir papel em It – A Coisa, em entrevista

Divulgada ontem, 01/09, a curta entrevista de Bill Skarsgård para o site Dread Central revela que Andy Muschietti, diretor de “It: A Coisa“, o ajudou a conseguir o papel de ‘Pennywise‘. Leia abaixo:

Bill, você dedicou-se muito ao visual – como você trabalhou com as câmeras para criar a performance de Pennywise?
Foi algo interessante para mim porque eu fiquei muito envolvido. Eu queria estar envolvido e eu me importo com o filme que estou fazendo. Mas o filme é do diretor e você faz uma cena e o diretor diz: “Tente fazer isso de outro modo”. E então você faz da maneira que ele quis e ele responde: “ok, bom”. E você fica “Certo, Ótimo”, principalmente nesse porque [eu queria ver como a maquiagem estava ajudando na minha performance]. Geralmente eu não sinto a necessidade de ficar ‘Posso ir e ver como estou?”, Você sabe? Mas com essa caracterização eu não tinha ideia de como eu estava ficando. Eu não sabia como meu rosto com a maquiagem ficava e como isso transmitia para a tela, então foi a primeira vez que eu fiquei muito curioso em ver o que nós estávamos fazendo. O estúdio não me deu nenhum acesso às gravações, mas Andy me deu e me dizia: “Aqui está, você pode olhar as gravações”. Então eu sentava e meio que estudava o que nós já havíamos filmado porque eu senti que era importante para esse papel ver o que eu estava fazendo e como eu estava me saindo em frente às câmeras. Todas as coisas eu pensei com o Andy, eu conversei sobre elas com o Andy, e interpretei para as câmeras com toda aquela maquiagem e todas as coisas da caracterização.
Para a sequência deverá ser diferente, pois eu estou tão acostumado com a caracterização do personagem agora. O medo e não ter medo são um tópico para o filme, certo? Eu sabia disso quando o estava filmando. Mas a audição para este filme foi muito divertida de se fazer. Tipo, “Você irá auditar para Pennywise. Você pode fazer o que quiser com ele”. Não havia nenhuma instrução. Não havia nada que descrevia porque Pennywise tinha que ser desse jeito ou de outro. A ‘Coisa’, poderia ser uma mulher. A ‘Coisa’ poderia ser um homem. A ‘Coisa’ poderia não ter etnia. Não havia nada que limitava o personagem. Todos os personagens que eu já fiz tinha uma descrição do tipo: “oh, esse é um cara e ele tem 20 anos e você sabe que ele faz algumas coisas erradas”. Os personagens que faço em audições são sempre limitados a quem você é na vida real, mas esse não era. Então eu fiquei: ‘Esta é uma audição, eu posso fazer algo divertido para a cena, independente que seja para a audição’. E então isso foi todo um processo. E quando eu finalmente consegui o trabalho eu pensei: “Put* merd*, eu estou fazendo isso agora”.
No primeiro momento eu fiquei: “Eu vou conseguir a porr* desse papel”, e então eu fiquei: “Eu consegui o trabalho! Ai meu Deus, o que eu faço com ele agora?, Talvez eu apenas tenha enganado todas essas pessoas que acreditaram em mim”. Então eu tive um pouco de medo com isso, na verdade eu sempre senti medo porque Andy estava realmente brigando por mim durante o processo de escalação. Ele me queria a ponto de convencer todos os chefes envolvidos na criação do filme. Eu estava em Toronto, me preparando para a produção e fiquei: “Como eu vou fazer isso?”, E você sabe, começa ficar assustador quando existem pessoas expressando suas opiniões e ansiedade, e eles poderiam ter expectativas de algo que eu não seria. Eu percebi que as pessoas estavam mais ansiosas para qualquer merd* que eu fosse fazer no filme. E então, eu pensei: “Bem, Andy acredita no que eu estou fazendo aqui e a Barb [produtora] também. Eles demonstraram o quão felizes eles estão por me terem aqui e eles acreditam em mim”. Então isso foi o bastante para eu afirmar para eu mesmo: “Bill, apenas se jogue de cabeça”. Eu sabia que eu não poderia ter medo e não poderia abandonar nada aqui. Eu confio no Andy e eu confio na Barbara e eu darei a eles o melhor de mim. Eu só vou superar meu medo se eu fazer o melhor de mim. Se não fosse dessa maneira, o filme não seria capaz de ser feito e eu não seria capaz de fazer o personagem de outra maneira.

Teve algumas influências em relação à performance de Tim Curry como ‘Pennywise’ no filme de 1990?
Eu acho que de alguma maneira nós nos aproximamos.
Da minha parte, eu quis fazer algo diferente. Eu queria fazer a minha proposta interpretação na minha performance de Pennywise. Andy também, ele desenhou o figurino e a caracterização, e tudo está completamente diferente, uma nova versão. Eu acho que está tão diferente que voce conseguirá entender os dois sem ter interferências, sabe? Então, Andy consegue responder melhor essa pergunta, até mesmo ao me escolherem para o papel, nós não queríamos fazer o personagem mais velho. O Pennywise que Tim Curry fez foi muito bom. Nós fizemos algo diferente.

“É uma benção e uma maldição”, diz Bill sobre ser um Skarsgård, em entrevista à Entertainment

Hoje, 31/08, foi liberada a entrevista de Bill Skarsgård para o site Entertainment. Confira abaixo a tradução:

 

LOS ANGELES — “Tiveram muitos atores incríveis que tentaram conseguir esse papel e os mesmos tiveram audições muito boas – Andy (Muschietti, o diretor) disse isso várias vezes. Mas ele me escolheu“, relembra Bill Skarsgård, membro da renomada família de atores Skarsgård, sobre seu papel de protagonista em “It: A Coisa”.
Interpretando o mal em formato de palhaço, Pennywise, na adaptação cinematográfica do Bestselling de Stephen King, talvez possa fazer com que Bill torne-se uma estrela por mérito, e que o permita dar um passo a frente da sombra de seu pai, Stellan, e de seus irmãos Alexander, Gustaf e Valter.
O filme trará um merecido reconhecimento para Bill, que esteve gradualmente construindo uma carreira, começando na Suécia, e então pulando para filmes nos Estados Unidos (Convergente, Atômica) e a série (Hemlock Grove)

O ator de 27 anos está gravando “Castle Rock“, uma série dramática de terror escrita por King e J.J. Abrams, terminou os filmes, “Assassination Nation” e “Battlecreek“, e irá retornar para “Ascendente“, sequência da Saga Divergente para TV, como Matthew.

Após ter ouvido que todos esses intervalos poderão mudá-lo, o ator dispara: “Se eu me tornar um metido, ou começar ter tendências metidas, por favor, deixe-me saber, porque eu irei atirar em mim mesmo (risadas). Eu acho que não devemos ser desse jeito (metido), eu cresci em um lugar onde tratamos todo mundo igualmente.”
Ele tem estado tão ocupado com o que ele faz que ainda não tem um lugar que ele pode chamar de casa. Mas ele deve comprar uma casa em Estocolmo em breve.
Eu gosto de estar em LA, mas eu não acho que eu quero viver aqui”, ele explica. “Estocolmo é um lugar bom para qualquer pessoa, pois esta cidade [LA], é a cidade que muda sua percepção de vida. Mas, Estocolmo é o lugar que tem minha família e meus amigos, lugar onde sempre morei em toda minha vida. Isso tem um grande efeito em mim”.

Medindo 1,92, corpo atlético e bonito, Bill é a última pessoa que você esperaria incorporar o predador terrível, Pennywise. Mas, com o grande talento de Bill – e com a ajuda de sua malevolente maquiagem de palhaço (que era aplicada em 2h30) – ele tornou-se a ‘Coisa‘.

Ter vários Skarsgårds no mundo do entretenimento é mais fácil ou mais difícil para você, principalmente para a construção de sua carreira?
É uma benção e uma maldição. Em qualquer lugar que eu vá, eu sempre serei associado à minha família. Quando eu era mais jovem, isso me incomodava muito. Eu comecei na Suécia, que é um país pequeno, e minha família é realmente muito grande lá (risos). Então, isso é mais aparente na Suécia.
Quando você amadurece, você cresce em relação a isso. Mas, quando você é jovem, você não quer ser julgado por ser você mesmo, “Oh, você acha que ele é bonito? E você acha que ele é pior que o irmão dele? (Risos)”, ou, ‘Ele é definitivamente mais magro”.
Isso me irrita às vezes. Quando eu era mais novo, eu percebi que eu teria que me erguer sozinho. Porém, quanto mais eu me estabilizo como ator e fico mais velho, eu começo ficar cada vez mais orgulhoso da minha família. Tem uma maneira saudável de lidar com isso.Vir da família Skarsgård têm muitos benefícios. Mas, tem pontos baixos, como sempre. Eu espero que eu continue conseguindo trabalhos, que eu consiga me estabilizar e ter uma carreira em que eu não sou apenas o filho ou irmão de alguém. Eu quero apenas ser eu.

Você pode dizer como era o clima no estúdio e sobre trabalhar com as crianças? Você se manteve longe deles antes de fazerem as cenas juntos?
A primeira vez que eu estive com as crianças foi na leitura do roteiro. Foi a pior leitura de roteiro que eu fiz porque eu ainda não havia desenvolvido o personagem. Você tem os executivos do estúdios e produtores, e eu tive que ler as falas. Eu ainda não estava confortável em revelar o personagem – ele [personagem] ainda estava em criação.
A primeira vez que eu fiquei com as crianças, eu disse: “Oi, eu sou o Bill. Eu vou interpretar o palhaço que irá tentar matar vocês (risos)”. Eles foram muito legais. Então, eu conversei com Andy e ele disse: “Tive a ideia de manter você separado das crianças”. Atores mirins podem ser completamente brilhantes quando eles são bons, mas também tem uma “delicadeza” ao trabalhar com eles. Você precisa saber lidar muito bem com eles para a interpretação ser a melhor.
Mas, quando você fica mais velho, você entende mais sobre o que você está fazendo. Então, nós tentamos ser estratégicos com isso. Nós decidimos me manter saparado deles. Foi a produção de filme mais solitária que eu já fiz, porque eu não trabalhei o mês e meio que as crianças trabalharam. Andy e a equipe estavam saindo com eles aos finais de semana.
Eu estava sozinho tentando lutar com esse palhaço demoníaco que eu iria interpretar. No meu primeiro dia de gravação, as crianças não me viram com a maquiagem. Eles ficaram completamente separados de mim. Eles já estavam gravando há um mês e meio e eles viraram melhores amigos. Eles ainda não haviam visto o palhaço.
Então, isso foi muito antecipado, aumentou bastante a expectativa no primeiro dia de gravação com as crianças. Foi uma cena no filme em que eu saí de uma geladeira. Foi uma cena muito intensa. Foi a primeira cena que eu filmei com Jack Grazer. Eu estava muito perto do rosto dele, cuspindo e gritando nele.
A primeira vez que ele me viu, ele disse: ‘Wow, isso foi incrível (risos)’. E eu respondi: ‘Sim, Ok. Como você está?’ Mas eu não o conhecia, e a cena foi intensa, eu estava tentando manter a mesma essência. Então, eu andei pelo cenários, incorporando e rindo maníacamente, fazendo sons estranhos e gritando no mesmo tom da cena. Quando eles disseram “Ação!”, Eu estava respirando o mesmo se que Jack. Eu gritei e babei praticamente na cara dele.
Jack estava chorando e ele começou a gaguejar, porque o personagem dele tem um tipo de gagueira. Ele estava histérico. No mesmo momento em que eu estava fazendo aquilo, eu estava comprometido a fazer aquilo, eu também estava pensando: “Que diabos eu estou fazendo? Eu estou traumatizado uma criança, agora eu traumatizei está criança?” E eles disseram “Corta!” E eu perguntei: “Você está bem, Jack?” E ele respondeu: “Sim, cara! Você foi ótimo! Eu amei o que você estava fazendo com o personagem”. Eu pensei que estava traumatizando a criança, mas ele estava amando o que eu estava fazendo.

Você acha que uma vez que esse filme será lançado, sua vida pessoal em relação a encontros ficará mais interessante?
Eu não sei, porque Pennywise é um grande contraste em relação ao que eu interpretarei em “Castle Rock” em Hulu, que também faz parte do mundo de Stephen King (risos). Isso não irá ajudar (com encontros), eu acho. Muitas garotas ficarão desapontadas (riso).
Na vida real, eu sou muito legal, se é disso que você está falando. Eu gosto de beber chá e assistir séries à noite.

Agora que você está se tornando famoso, sua vida começou mudar?
Minha vida não mudou muito. Eu continuo não tendo uma casa em nenhum lugar (risos). Eu não sei como será a mudança. Eu não penso muito sobre isso. Bem antes do filme eu percebi que as pessoas estavam realmente empolgadas com o filme, isso é diferente. Tipo, eu estava no aeroporto de Boston semana passada e quando eu estava passando pela segurança e mostrei o passaporte, o cara me olhou e disse: ‘Você está relacionado com o ator?’ e eu respondi: ‘Sim, eu sou. Eu sou o filho dele, ou irmão dele, dependendo de quem você está falando”, e ele disse: ‘Mas é você, certo?” E eu pensei ‘O que ele quer dizer?” E ele continuou: “Você fará o Pennywise”. Então eu acho que houve uma pequena mudança nisso. E ele falou: “Mal posso esperar para o filme, cara!”. Ele estava tão animado e realmente aparentava ser alguém que gosta de filme de terror, se isso faz sentido (risos).

Você irá retornar para a segunda parte do filme?
Eles estão trabalhando nisso agora e eu realmente espero estar (na parte dois), porque eu amo tanto trabalhar com Andy. Eu espero fazer parte do processo de caracterização para o próximo filme. Eu estou animado com essa tarefa, porque será um filme diferente precisa de um Pennywise diferente, pois estaremos lidando com adultos. Eu estou realmente animado para a sequência

VÍDEO LEGENDADO: Bill Skarsgård revela sua opinião final sobre “It: A Coisa” e mais; assista

Na tarde de hoje, 30/08, a primeira entrevista de Bill Skarsgård realizada durante a coletiva de imprensa em 27/08, em Los Angeles, foi liberada! No vídeo, o ator comenta sobre ser fã da obra de Stephen King, atuar ao lado de crianças e revela sua opinião final após ter assistindo “IT: A Coisa“!

LEGENDADO: Entrevista de Bill Skarsgård na coletiva de It – A Coisa from Bill Skarsgård Brasil on Vimeo.

Entrevista de Bill Skarsgård para o site britânico Metro

No último domingo, 27/08, Bill Skarsgård concedeu diversas entrevistas para meios de comunicação de todo o mundo. Abaixo, confira a entrevista completa do ator para o site Metro.co.uk!

As reações precipitadas foram positivas, mas comparações inevitáveis com o filme de Tim Curry e com o longo período de produção significa que o novo filme teve um início agitado.
A escalação de Bill Skarsgård marcou um passo significante no desenvolvimento do filme, e ele também se juntou ao elenco de mirim com Jaeden Lieberher, Finn Wolfhard, Jack Dylan Grazer, Wyatt Oleff, Chosen Jacobs e Jeremy Ray Taylor.
Metro.co.uk conversou com Skarsgård e Lieberher para discutir sobre reinterpretar um personagem tão icônico como Pennywise, o pesadelo dos adolescentes em 1989 até hoje.

Sempre terá inevitáveis comparações ao icônico Pennywise de Tim Curry – o que você trouxe para a ‘Coisa’ de diferente?
Sempre foi importante para mim reinventar a ‘Coisa’ e reinterpretá-la de uma maneira diferente.
Por sorte, eu cresci com a performance de Tim e eu estava muito familiarizado com isso como um grande fã quanto como ator. Então, meu processo de preparação para o papel foi, ‘ok, isso precisa ser diferente’, e eu acredito que nós fizemos isso, acredito que este Pennywise é diferente e eles irão gostar– não é necessário compará-los, mas você poderá apreciar os dois, mas o que foi importante para mim foi fazer algo novo e original para o personagem.

Você já teve alguma tentativa de conseguir um papel em algo clássico do terror?
Obviamente. Durante todo o processo de audição eu estava completamente comprometido e animado que eu tinha conseguido uma audição para It e foi uma audição criativa e divertida, eles não pediram para que você de certa maneira, a audição foi com a minha própria interpretação de como este monstro poderia ser. Então foi muito criativo e livre.
Você nunca acha que você conseguirá o trabalho, quando eu estava em Toronto e pensei: ‘Puta merda, eu estou fazendo isso’ e depois meu primeiro pensamento foi “Eu quero este trabalho”, e então quando eu consegui, eu estava tipo: “wow, agora eu realmente preciso fazer isto”.
Então, tive noites sem dormir enquanto eu pensava sobre descobrir da minha maneira o personagem, porque houve muita antecipação – mas Andy [Muschietti, o diretor] acreditou em mim e me apoiou. Isso foi muito importante para mim e me deu a confiança que eu precisava para fazer o personagem.
Então, nós experimentamos a maquiagem e a aparência do personagem e ele começou viver através desse processo – o estúdio divulgou uma imagem do personagem antes de eu começar gravar, então as pessoas já tinham opiniões sobre o personagem.
A parte estranha dessa antecipação foi que eles visualizaram o projeto e algumas pessoas tiveram opiniões sobre o personagem antes mesmo deles assistirem ao filme, então eu disse para mim mesmo me manter longe dos comentários na internet porque isso poderia não me ajudar.

Jaeden, conte para nós sobre a primeira vez em que você viu o Pennywise de Bill Skarsgård…
Eles os mantiveram longe de nós no primeiro mês de gravação, quando nós estávamos filmando algumas partes legais com as outras crianças – eles ainda estavam desenvolvimento o personagem e então eles divulgaram a imagem antes de nós vê-lo.
Então, a primeira vez que eu o vi foi durante a cena em que ele estava atacando Eddie. Richie e eu tínhamos que invadir o quarto dele e salvá-lo e foi um pouco perturbador quando ele apenas virou o rosto e olhou para nós.

Ele continuou no personagem, ou você conseguiu conhecê-lo?
Quando nós estávamos no set ele conversava com a gente e ele era muito legal, mas ele realmente conseguia entrar no personagem em cinco minutos antes da cena. Ele começava andar pelo quarto falando com ele mesmo e começava rir com aquele figurino estranho. Então, nós definitivamente não queríamos falar com ele assim.

Bill, você menciona que a audição foi divertida, um processo criativo – quanto do Pennywise da audição foi para o personagem final?
Eu não lembro muito o que eu na audição! Eu acho que ele mudou, mas ainda existe uma essência dele que estava na audição que eu fiz,.
Quando eu fiz o teste, eu não sabia como ele seria, então eu tive que brincar com a imaginação de como o trabalho seria. Então, eu coloquei o figurino e a maquiagem e depois começamos adicionar elementos para os movimentos, expressões e voz. Mas eu acho que desde cedo houve uma essência que trabalhamos desde o início, mas eu nunca fiz um personagem como este antes, foi algo novo para mim fazer um personagem tão transformista… Desde os movimentos até mesmo até a voz… É muito diferente de como eu sou é isso tem sido uma grande nova experiência e algo que estou amando fazer.

Andy foi aberto para colaborações, quanto você ajudou na criação de Pennywise?
Nós colaborando juntos no processo – tenho que dar crédito ao Andy porque ele é muito talentoso e teve um processo de criação incrível para a caracterização porque ele tem um grande talento para desenhar croquis e grande parte de como o Pennywise seria foi ideia dela. Quando ele trabalhou com os caras das próteses junto comigo, adicionamos em minhas ideias algumas coisas dos meus pensamos iniciais.

Mas todo o processo foi uma colaboração e descobrimento… Eu nunca concordaria com algo que eu não me sentiria feliz fazendo. Nós trabalhamos em algo que todos os envolvidos estavam animados em fazê-lo.

O filme terá uma parte dois – o que você pode nos contar sobre ela?
Estou no filme, mas isso é tudo o que eu posso dizer, nós estamos em pré-produção e estou conversando com Andy sobre e como será. É uma história diferente, masestou animado para interpretar o personagem e teremos mais para explorar sobre quem o Pennywise é.

Bill, existe uma grande profundo no Pennywise que realmente aparece nos momentos finais quando ele percebe que as crianças não têm medo dele, isso realmente é muito legal de perceber no personagem, mas também adiciona uma antecipação para a parte dois…

Você me dizer isso me deixa feliz porque foi isso que eu queria que as pessoas sentisse. Eu trabalhei muito duro, então esse é gratificante ter pessoas se sentindo assim.

Tem uma grande mudança no Pennywise da primeiro cena para a última cena e tem uma jornada até lá, estou grato que você disse que isso mexeu com você – é exatamente isso que eu quero que as pessoas sintam, ‘espere um minuto, o que é essa coisa?’ e eu acredito que é isso que eu quero e é para onde quero chegar para o segundo filme. Quero mergulhar dentro dos espaços psicológicos e metafísicos desse ser tridimensional.

Pennywise é um personagem com a aparência muito infantil, que o ajudo a conectar-se com as crianças, nós podemos esperar uma ‘Coisa’ diferente 27 anos depois, uma que tem que lidar com os medos dos adultos?
Sim, eu acho que nós iremos ver onde isso irá chegar. É definitivamente envolvido….. Lendo o livro, assistindo ao filme e conversando sobre a sequência. Nós temos que inovar e não apenas fazer a mesma coisa novamente, então estou muito ansioso com todo esse processo.

(mais…)

FOTOS: Bill Skarsgård durante coletiva de imprensa de “IT: A Coisa”, em Los Angeles

Na tarde de domingo, 27/08, Bill Skarsgård marcou presença na primeira coletiva de imprensa para “It: A Coisa“, em Los Angeles. Clique nas miniaturas abaixo para visualizá-las em melhor qualidade em nossa galeria:

APARIÇÕES & EVENTOS | APPEARANCES & EVENTS > 2017 > COLETIVA DE IT NO BEVERLY HILLS HOTEL


5~119.jpg
 5~119.jpg 5~119.jpg
5~119.jpg 5~119.jpg 5~119.jpg

Confira as primeiras impressões de críticos sobre a performance de Bill Skarsgård em “IT: A Coisa”

Ontem, 25/08, aconteceu em Nova Iorque, uma sessão exclusiva de “It: A Coisa” para alguns críticos renomados na indústria cinematográfica. Confira abaixo os primeiros comentários – positivos – sobre o filme.

 

Reação de Eric Eisenberg, fundador do CinemaBlend


“Emocionado, agora eu posso dizer que “IT” é espetacular. Totalmente assustador, mas também, incrivelmente divertido (os Perdedores são PERFEITOS). Para mim, candidatos ao top 10.”

Reação de Steve Weinstrab, editor-chefe da Collider.

Apenas assisti “IT”. Muito bem feito. O elenco está incrível e o visual perturbador. Vão fazer toneladas de dinheiro. Estou pronto para a sequência amanhã.”

Reação de Drew Dietsch, editor do Get Fandom
https://twitter.com/DrewDietsch/status/901278780223705089
Bill Skarsgård está se colocando em uma interpretação que o tornará no Freddy Kruger de uma nova geração.”

Reação de Rachel Heine, editora do Nerdist
https://twitter.com/RachelHeine/status/901306481764466688
AMEI #ITaCoisa. Capturaram o espírito do livro & ainda criaram algo novo. Combo perfeito de assustador & divertido. O Loser’s Club foram PERFEITOS”

Reação de Erik Davis, diretor da Fandago


“”IT” é assustador, sangrento, super divertido, adorávelmente romântico e de longe um dos meus filmes favoritos do ano.”

Reação de Haleigh Foutch, editora do Collider

“Eu amo “It: A Coisa”. Tudo que eu queria. Assustador para caralh*, Skarsgård acerta em cheio como Pennywise, e os perdedores estão perfeitos.”

It: A Coisa, 07 de setembro nos cinemas.

“It: A Coisa” ganha classificação indicativa nos cinemas brasileiros

A poucos dias da estréia nacional, o filme “It: A Coisa” recebeu hoje, 25/08, a classificação indicativa para maiores de 16 anos nos cinemas brasileiros. No longa, Bill Skarsgård interpreta o tenebroso palhaço Pennywise.

 “It: A Coisa”, 07 nos cinemas. Garanta já seu ingresso.

 

SCANS E ENTREVISTA: Bill Skarsgård fala sobre isolamento e preparação corporal para interpretar ‘Pennywise’ em “It: A Coisa”

Em recente entrevista à revista Horrorville, Bill Skarsgård comentou sobre sua preparação e isolamento para viver o personagem ‘Pennywise‘ em “It: a Coisa”! Leia o trecho abaixo e confira os scans da matéria.

Existem muitos espíritos no mundo de Stephen King. O que faz Pennywise ser tão tenebroso?
Ele é relativamente relacionado às crianças, porque palhaços são criados para serem legais e divertidos. Crianças são pretensas a gostarem deles. Pennywise é a definição de falsidade. Ele tem essa máscara alegre e legal, mas ele tem um objetivo muito sinistro, que é comer crianças. O contraste do palhaço ser mau é algo muito perturbador. As crianças são vítimas dessa criatura, que é muito cruel.

Como que a voz e o andar de Pennywise surgiram?
A voz mudou um pouco desde a minha primeira audição sobre como seria no filme. Isso foi um processo de exploração que teve o maior efeito. Você tem que ter o efeito máximo toda vez em que você vê Pennywise. Teve muita atuação em frente ao espelho em termos de brincar nos ensaios com as expressões e como ficariam as expressões de maneiras diferentes. Eu também fiz diversas gravações, onde eu gravava minha própria voz e treinava de qual maneira minha risada iria soar, e como minha voz ficaria. Essas foram as partes mais divertidas do personagem, criar do nada como esse personagem iria soar, olhar e se movimentar. É uma performance física. Eu treinei com um treinador de expressões corporais em Toronto e explorei como meu personagem se movimentaria. É algo que se deixa na imaginação, então é algo que eu poderia criar o que eu queria para essa coisa.

Existe um aspecto mental sobre interpretar Pennywise?
Isso depende de como e onde estávamos filmando no dia. Por causa da maquiagem e da fantasia, todo o vestuário era inconfortável. No processo de ser maquiado, vestir o figurino e ter contatos, eu fiquei isolado do resto da equipe e do elenco, exceto de dois caras que cuidavam das minhas próteses e meu supervisor de figurino. Eles foram meu Pennywise Squad. Eu fiquei isolado de muitas pessoas nos estúdios e eu acostumava usar isso a meu favor para me manter focado e tentar capturar uma essência para quem o personagem era em determinada cena.

Você teve alguma conversa com seus parceiros de cenas mirins?
A primeira cena eu fiz com Jack Grazer, que interpreta Jack, foi realmente uma sequência muito intensa, onde eu estava realmente muito próximo de seu rosto. Ele estava chorando e muito assustado. Foi a primeira vez que ele me viu. Eu disse: “Ei, como você está?” E meio que mantive minha distância para me preparar para a cena que estávamos indo fazer. Eu queria criar essa tensão para trazer a melhor performance de dentro dele. Nós fizemos a cena. Eu estava babando, no rosto dele. Ele estava chorando e ficando com falta de ar. Então, quando falaram “Corta”, e eu o questionei: “Você está bem?” E ele respondeu: “Sim, foi incrível! Você foi bem demais, continue assim”. Nesse momento, eu percebi: “oh, não estamos trabalhando com pequenas crianças, eles são atores e sabem realmente o que estão fazendo”.

Qual cena você está mais animado para ver a adaptação do livro para o filme?
A cena da tempestade. É a cena mais icônica do livro, filme e série. Eu realmente espero que as pessoas respondam essa cena e que eles gostem do que planejamos e fizemos.

 

5~119.jpg 5~119.jpg 5~119.jpg

SCANS > HORRORVILLE – SETEMBRO 2017

 

Scans via skarsjoy.tumblr.com

FOTOS E ENTREVISTA: Bill Skarsgård conta detalhes de sua preparação para “IT: A Coisa” e mais para a revista Dazed

Capa da edição de agosto da revista Dazed, Bill Skarsgård conta detalhes de sua preparação para o papel de Pennywise em “It: A Coisa” e comenta sobre seus novos projetos:

5~119.jpg5~119.jpg5~119.jpg5~119.jpg5~119.jpg5~119.jpg5~119.jpg5~119.jpg5~119.jpg5~119.jpg

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > DAZED MAGAZINE – JULHO 2017

O que foi tão icônico não apenas sobre o livro, mas também sobre a minissérie, é que as crianças assistiam em uma idade muito nova“, Skarsgård oferta. “Se você tivesse assistido quando adolescente, “IT” não teria te afetado tanto, mas se você o assistiu quando tinha a mesma idade que as crianças que são as vítimas no filme, com certeza você ficaria afetado. Algumas pessoas vieram até mim e disseram: “Oh, meu Deus! Eu não consigo acreditar que você está fazendo a ‘Coisa’! Esse filme me traumatizou, eu fiquei tão assustada.’ É tipo que um fascínio pelo medo ou por qualquer coisa que eles viveram. É muito estranho, porque obviamente crianças não estão indicadas a assistirem ao filme, mas tem crianças nele.”
Skarsgård alcançou o que quase todos os atores querem fazer: deixar o público marcado por muito tempo, mesmo com os créditos subindo na tela branca do cinema. Ele está preparado para ser um padrão de medo para uma nova geração de jovens e “It: A Coisa” será o novo filme a ganhar a marca de assistir-uma-vez-e-nunca-mais. Basta perguntar para os extras de uma cena no filme em que Pennywise aparece em uma TV aterrorizando um grupo de crianças, todas mais jovens que as crianças do elenco principal.

Eu caminhei por esta cena, como o personagem, até onde as crianças estavam sentadas“, diz Skarsgård. “Eles nunca tinham me conhecido antes, muito menos eu como o Pennywise. Andy (Muschietti) estava atrás da câmera gritando as direções e ele dizia: ‘Bill, pegue uma das crianças! Pegue uma das crianças e ande [com ela] para fora da lente da câmara’, então eu corri na direção das crianças, rindo maníacamente, e peguei uma que estava muito apavorada! E Andy disse: ‘oh não, não esse cara!’ – Eu tive que trocar a criança e encontrar uma que não estava tão assustada. Foi estranho porque no momento em que eles disseram ‘corta’, algumas crianças ainda estavam tremendo. Eu tentei dizer: ‘oh, eu sou apenas um ator, isto é tudo fingimento’, e e eles meio que olharam para mim com desconfiança. Isso fez eu pensar: se eu fizer meu trabalho direto, e se eu estiver tão assustador como eu quero que seja, terá muitas pessoas que terão essa reação com a minha performance e com o filme. É uma coisa estranha que eu tenho que lidar.”

Preservando a pureza da falta de familiaridade até mesmo com o Loser’s Club, que o conheceram apenas uma vez antes das filmagens, durante a leitura de roteiro. A primeira vez em que eles viram Bill caracterizado de palhaço foi no estúdio.

Tem uma cena com Jack (Dylan Grazer), que interpreta Eddie“, diz Skarsgård. “Eu saí de dentro de um refrigerador e comecei andar em direção dele e fiquei bem próximo de seu rosto. Quando eles gritaram ‘ação’, eu entrei no personagem – foi muito, muito intenso. Eu estava o babando todo, Jack estava chorando e gritando. É horrível, mas você sabe, é para o filme. No entanto, assim que eles gritaram ‘corta’, eu perguntei para ele: Ei, você está bem, Jack?’ e ele virou para mim e disse: ‘Sim, cara! Isso foi incrível para caralh*! Eu amei o que você estava fazendo, você é incrível!’ ele eu pensei: ‘O que eles são? Eles são pequenos profissionais”.

Filmando em Toronto durante três meses no ano passado, Skarsgård trabalhou muito em criar a sua versão de Pennywise. O filme já estava há mais de um mês sendo produzido antes dele ter gravado sua primeira cena, tempo que usou para pensar o que ele faria com o personagem.

Eu tive muito tempo sozinho“, ele diz. “E as noites de insônia me fizeram pensar em todas as coisas prováveis que eu poderia fazer de errado. Eu já fiz adaptações antes, mas nunca algo que tem toda essa antecipação. Eu tive que dizer para mim mesmo: ‘Eu estou me preparando muito e me importando com esse personagem e com essa performance’– no final do dia, eu sinto que estou muito orgulhoso com o resultado, estou feliz o bastante. Neste ponto, eu estou muito animado para ver como as pessoas vão responder”.

Skarsgård estava ansioso para explorar a fundo sobre a entidade atormentada por trás do palhaço como si – é um personagem mais abstrato que você pode imaginar. “Pennywise é uma forma que essa entidade está usando – uma manifestação dos medos das crianças“, ele explica. “Eu procurei entender mais do que apenas o que o palhaço é, mas o que também está por trás do palhaço. Parte disso foi psicológico, estranho e imprevisível.
Tem um capítulo no livro em que Mike Hanlon está analisando o que ele acha que Pennywise deve ser, e ele chega a conclusão que ele é a forma favorita da entidade. Então tem esse senso de apreciação que esta entidade tem enquanto ela é um palhaço. Eu penso que essas coisas eram realmente interessante de se explorar, para criar algo que seja muito inquietante em termos de imprevisibilidade. Eu trabalhei muito duro tentando levar isso para o filme… Tem muito mais sobre a Coisa do que está sendo dito”.

Fisicamente, existem atributos para performance que são muitos únicos de Skarsgård, mesmo que o tenha levado para o limite. O ator é quase irreconhecível através das camadas de maquiagem, o que o faz ter uma aparência de ídolo de matinê.
Eu tenho um olho um pouco louco no meu lado esquerdo, então se eu relaxar o músculo próximo ao olho, meu olho esquerdo vai para outra direção e me torno completamente vesgo“, ele diz. “Nós pensamos que seria legal usar no personagem, então, no decorrer do filme, os olhos dele estão olhando em duas direções. Essas são as coisas que eu brincava, mesmo antes de estar com a maquiagem. Eu tive próteses em minhas bochechas – quando você tem essas bochechas inchadas faz com que você tenha a aparência mais infantil. Isso foi algo que nós procuramos explorar. Ele é a manifestação das crianças, então ele é uma espécie de criança dele mesmo. Ele tem esses elementos infantis – o que é algo que eu acho, obviamente, muito perturbador.”

Os jovens atores do filme, Jaeden Lieberher, Sophia Lillis e Finn Wolfhard – se divertiram tanto quanto o protagonista malevolente, com os palavrões pesados por toda parte. “Eles não estavam permitidos xingar na frente dos pais deles, mas quando a câmera estava ligada eles estavam permitidos a falarem qualquer coisa que eles queriam” diz Skarsgård. “Isso é realista – eu nunca xinguei tanto quanto eu xingava quando eu tinha 12 ou 13 anos, porque essa é a idade em que você está tentando explorar e é excitante dizer todas essas coisas para seus amigos. [Quando] eu vi o filme eu pensei: ‘Eu não sei se nós estamos batendo algum tipo de recorde aqui’. Você sabe que Scarface tem, tipo, 276 ‘porras’ ou qualquer coisa assim, e está no Guinness Book of World Record? Eu não sei se tem qualquer outro filme onde crianças de 12 anos falam tanto ‘porra’ como falam em ”It: A Coisa’.”

Talvez a história real mais bizarra e assustadora de “It: A Coisa” foi a situação que Skarsgård viveu durante as gravações – quando houveram ataques de palhaços se espalhando como vírus por todo planeta em 2016, da América do Norte para a Europa, da Austrália para a América Latina. Até mesmo a Suécia, país natal do ator, foi afetado.

Foi muito louco“, ele diz. “Nós liberamos a foto de como o Pennywise seria e no mesmo tempo isso começou acontecer. Meus amigos e minha família me enviavam artigos e diziam: ‘Ei Bill, o que você está fazendo em Ohio?’, ou ‘Ei Bill, o que você está fazendo na Carolina do Sul?’, obviamente, existe uma diferença entre atuação para fazer um filme e fazer isso na vida real”.

A mídia deu para os ataques o oxigênio que eles necessitavam, criando um flashmob intercontinental. Uma coisa é certeza: quando pensamos em palhaços, é impossível tirar da equação a criação mais famosa de Stephen King. Penywise está muito enraizado na nossa cultura, praticamente faz parte do nossos subconsciente. Não é tão diferente do Papai Noel, quem nós achávamos que sempre existiu – mas nós esquecemos que ele ganhou as roupas vermelha pela Coca-Cola para vender mais.

Passando um tempo com Skarsgård, você esquece que ele é parte de uma elegante dinastia de atores. Ele irá mencionar isso, mas apenas se você perguntar. Seu pai é o celebrado Stellan Skarsgård – uma figura muito louvada pelos atores. A família costumava viajar para todos os lugares que Stellan estava filmando, ficando alguns meses em Camboja ou Escócia. Talvez seja por isso que Bill ainda não tenha seu próprio lugar, preferindo alugar em lugares que ele está, se dividindo entre Los Angeles, Nova Iorque, Toronto e Suécia. O único requisito obrigatório é espaço para se divertir – um lugar para uma grande mesa de jantar, com muitas pessoas criativas sentadas ao redor, é algo que Skarsgård que continuar mantendo.

Pennywise é o papel de maior requinte para Bill Skarsgård até o momento, e nós o veremos se tornar devidamente famoso – ele está à beira do precipício, pronto para o próximo passo em sua carreira. Ele rapidamente cresceu na indústria de filmes na Suécia depois de conseguir quatro papéis de protagonista em sucessão, incluindo o aclamado “Simple Simon“, interpretando o adolescente com síndrome de Asperger. Skarsgård também tem uma base de fãs fiéis que o acompanharam em “Hemlock Grove”, uma série de terror da Netflix que tem lobisomens e vampiros, inclusive, Skarsgård interpreta Roman, um adolescente milionário que mascara suas inseguranças com sexo, drogas e correndo com sua Jaguar XK150. Ano que vem, ele retornará para o universo de Stephen King em Castle Rock.
Eu não era um grande fã de filmes de terror enquanto eu estava crescendo. Eu nunca estive muito animado com a sensação de ficar assustado“, ele diz, uma revelação surpresa, dado em conta os seus papéis obscuros. “Então eu comecei assistir muito porque eu estive fazendo muitos trabalhos com a temática de terror“, Seu filme favorito? O banho de sangue sul coreano ‘OldBoy“.

“Eu não me importo com os vilões – Eu acho que existe algo com eles que os tornam mais complexos e interessantes, nesse senso de ‘bom rapaz, mau rapaz’. Os bons rapazes têm constantemente apenas uma dimensão, onde tradicionalmente os maus rapazes são mais desprezados. Eles tem muito mais direções e motivos para manipulações”, ele notifica.

“É realmente difícil chegar ao ponto sobre o que realmente inspira você ou o que realmente te deixa animado em termos de performances ou personagens“, ele continua. “É como se estivéssemos definindo qual música realmente nos deixa animado, você entende? Eu apenas gosto de explorar pessoas que são diferentes de mim de todos os jeitos. Obviamente, eu quero fazer diversos tipos de papéis e personagens diferentes que eu posso. Eu não acho que eu esteja nesse nível ainda.”

Um mês antes de “It: A Coisa” estrear nos cinemas, você pode assistir Bill em Atômica, um filme de espionagem estrelado por Charlize Theron e James McAvoy. Skarsgård interpreta Merkel, um alemão em roupas punk. Ele também acabou de gravar Assassination Nation, estrelado por Bella Thorne, Hari Ned e a estrela R&B Abra, que está previsto pra ser lançado esse ano. “Sam (Levinson) escreveu este incrível roteiro e subiu de nível enquanto nós estávamos gravando“, Skarsgård comenta. “Eu estou muito animado para ver como ele irá finalizar o projeto. É sobre nossa época e sobre o que significa ser uma jovem mulher no mundo de hoje.”
Skarsgård poderia, compreensivelmente, ficar feliz se recebesse uma ligação do maior autor notório do cinema, Lars Von Trier, diretor que adora colaborar com seu pai, Stellan, e que também já trabalhou com seu irmão, Alexander, em Melancolia (2011).
Eu acho que Lars é um dos melhores diretores da nossa época; os filmes sempre tem esta combinação dark, filosófica e hilária“, ele diz. “Tem uma voz particular o que ele faz e isso é único para ele, você pode perceber apenas assistindo cinco minutos de qualquer um de seus filmes. Eu ouvi tantas histórias sobre como ele é nos estúdios de seus filmes – é extremamente aberto, você é encorajado a fazer cada cena de maneira tão diferenciada quanto você puder fazer, você apenas explora tudo. A relação de meu pai com Lars sempre foi algo que eu almejo ter – eu espero que eu encontre meu próprio Lars em termos de ter alguém que pode fazer sete filmes comigo”.

A única coisa que entra como rivalidade com a paixão de Skarsgård por atuação, é as artes marciais mistas (MMA-UFC) – algo que ele realmente fica animado.
Eu sou viciado“, ele diz. “Alexander Gustafsson é um lutador peso pesado da Suécia, ele é enorme, meu favorito. Ele teve essa luta lendária com Jon Jones pelo cinturão peso pesado em 2013, quando nos estávamos gravando Hemlock Grove em Toronto. Até o momento, é uma das maiores lutas da história [desse esporte]”

Toda a platéia trocou sua torcida de Jones para o sueco azarado. Todo mundo estava torcendo para ele e foi maravilhoso, um momento surreal. Ele perdeu a luta, mas ele venceu a platéia”.

É quase – quase – como se Skarsgård tivesse contando uma versão de sua própria história. Todo mundo está disposto a elogiá-lo – como o diretor Andrés Muschietti. Até mesmo Stephen King tweetou em março que o filme “superou minhas expectativas. Relaxe. Espere. E aprecie“.
Bill trouxe um balanceamento inquietante para Pennywise” diz Muschietti. “Ultra-magnético e ambíguo, o gênio e o lunático, o palhaço e o monstro, a presa e o predador. Ele trouxe loucura imprevisibilidade e entrou profundamente no personagem. Ele conquistou o papel sem medo ou hesitações. Eu nunca havia visto nada como isso antes.

It: A Coisa, 07 de setembro nos cinemas brasileiros

Bill Skarsgard Brasil não é afiliado de maneira alguma com Bill, sua família ou seus representantes. Não somos o ator e não temos o mínimo contato com o mesmo. Todo o conteúdo do site, fotos, informações, vídeos e gráficos pertence ao site, a não ser que seja informado o contrário. Site de fãs para fãs, sem fins lucrativos.